O Balanço de 1964  
 

Passada a onda de revisionismo dos cinquenta anos do movimento de 1964, que uns chamam de golpe e outros de revolução, chamou-me a atenção, além da própria intensidade das discussões, a repetição de um sem-número de falácias acerca do evento, as quais tenho ouvido desde muito, tanto da turma dos apoiadores quanto da turma dos detratores. Agora que o bate-boca finalmente está esfriando, é um bom momento para enumera-las e decifra-las uma a uma. Vamos lá!


   1) O movimento foi fomentado pelos EUA.

Todos sabem muito bem que nos tempos da guerra fria, tanto os EUA quanto a ex-URSS e seus satélites intervinham ostensivamente em todos os lugares onde houvesse um movimento comunista efetivo ou potencial. No Brasil não foi diferente. é perfeitamente sabido que os EUA injetaram muito dinheiro nos partidos e organizações anti-Goulart. Mas o que até hoje causa realmente frisson na galera é a Operação Brother Sam, o envio da 4¬ frota americana para apoiar os revoltosos. Fico impressionado como tantos a denunciam Ó boca pequena, como se tratasse de um segredo sujo. Mas eu me lembro muito bem: após 12 anos, em obediência ao regulamento da CIA, o documento foi desclassificado e publicado na imprensa. Foi em 1976. E saiu tudo lá: a 4¬ frota americana fez um passeio, e no quinto dia, sem haver sequer chegado perto da costa brasileira, fez meia-volta e retornou, pois nenhum apoio era mais necessário. Estava inicialmente autorizada a somente enviar combustível aos revoltosos. O que aconteceria depois, caso Goulart resistisse? Haveria um desembarque? Bom, isso já é futurologia.


   2) Os comunistas estavam prestes a tomar o poder.

Não estavam, e isso ficou patente na ausência total de resistência, quando se dizia que Goulart tinha um formidável "dispositivo militar". O poder dos comunistas foi grandemente superestimado, tanto por seus inimigos, o que era do interesse dos mesmos, mas também pelos próprios comunistas, o que foi desastroso para eles. Exatamente como já havia sido em 1935. Dizia-se que Goulart estava cercado de comunistas. Na realidade, os comunistas que cercavam Goulart eram os mesmos que antes cercaram Vargas e Kubitschek, a diferença foi que Vargas e Kubitschek puseram-se os comunistas a seu serviço, enquanto Goulart foi posto a serviço dos comunistas.


   3) Não havia guerrilha em 1964, e esta só surgiu depois do AI-5, como resistência Ó ditadura.

Muita gente acreditou isso, mas foi o insuspeito Jacob Gorender quem tratou de desmenti-lo em definitivo, em seu clássico Combate Nas Trevas: os primeiros grupos das Ligas Camponesas foram enviados para fazer curso de guerrilha em 1962, dois anos antes do golpe. é curioso afirmar que os guerrilheiros pós-AI-5 tinham como objetivo restabelecer a democracia, pois nenhum manifesto lançado por eles exigia a restauração da constituição de 1946 ou a volta do ex-presidente Goulart. Mesmo porque, na retórica dos guerrilheiros, o regime que havia aqui antes de 1964 não era democrático, mas tratava-se de uma "democracia burguesa" que devia ser derrubada e substituída por conselhos populares. Dizer como seria o regime instalado pelos guerrilheiros caso fossem vitoriosos é futurologia, mas tudo indica que seria inspirado pelo modelo cubano, que inspirava dez entre dez revolucionários sul-americanos na época. A esquerda só conformou-se Ó dita democracia burguesa após a anistia.


   4) Os revolucionários de 1964 não queriam o poder, mas apenas a restauração da ordem.

É mentira. Havia uma conspiração articulada desde a época do suicídio de Vargas, e esse esquema reunia essencialmente políticos udenistas com militares da ESG. Havia o consenso de que, pela via eleitoral, eles não chegariam ao poder, então aguardavam uma revolução providencial. Antes já haviam tentado impedir a posse de Juscelino e do próprio Goulart. Como se sabe, as coisas não saíram bem como planejado, e a maior parte dos conspiradores da época foi expurgada no momento em que supunham estar chegando ao poder.


   5) O dito Milagre Brasileiro foi uma época de extremo sofrimento para os trabalhadores, pois foi conseguido Ó custa da concentração de renda.

É uma interpretação maliciosa da realidade econômica e social da época, que procura passar a ideia de que os mais ricos enriqueceram Ó custa de empobrecer os mais pobres, como se estivessem subtraindo a renda destes. Houve de fato um aumento na concentração de renda. Mas a concentração de renda é nada mais que uma estatística que informa qual percentual da população detém qual percentual da renda nacional. A porção mais rica prosperou mais rápido que a porção mais pobre, daí haver aumentado sua participação na renda, em termos relativos. Mas em termos absolutos, tanto a renda dos mais pobres quanto a renda dos mais ricos subiu, e para quem é pobre, evidentemente o que importa não é o relativo, mas o absoluto. A prova disto foi a notória ausência de elementos das classes populares nos movimentos guerrilheiros, que contavam quase que exclusivamente com intelectuais, egressos do movimento estudantil, ex-militares e religiosos. Por este motivo mesmo os grupos guerrilheiros foram incipientes, e a própria dispersão das siglas - VPR, PCR, VAR, COLINA, MR-8, PCO, etc. - é uma evidência disto.


   6) Os governos militares foram entreguistas e submissos aos EUA

Uns mais, outros menos. De maneira geral, os militares deram prosseguimento ao modelo do nacional-estatismo que vinha desde os anos trinta, que preconizava forte presença do Estado na economia. Durante os quatro governos militares, a aplicação deste modelo oscilou entre sua vertente nacionalista (Vargas, Geisel) e sua vertente dita entreguista (Kubitschek, Castelo).


   7) O regime militar introduziu a tortura no Brasil

Já havia tortura antes, e continuou a existir depois. Mas era tortura a presos comuns, marginaizinhos pé-rapados, e esse fato não despertava comoção. O choque causado pela tortura durante o regime militar deveu-se sobretudo ao fato desta ser aplicada a jovens da classe média, indivíduos que, de acordo com a crença geral, não deveriam sofrer este tratamento.


   8) Havia menos corrupção / Havia mais corrupção na época

Os defensores do regime de 1964 afirmam que havia menos corrupção naquele tempo, e os detratores afirmam que havia muito mais, mas a censura não deixava a população saber. é evidente que havia corrupção naquele tempo, mas não é razoável supor que algum grande escândalo tenha permanecido oculto até hoje, tantas décadas após o fim da censura. A verdade é que a própria estrutura autoritária do regime tornava desnecessário maiores barganhas e compras de voto de parlamentares.

 

  Início

adidas superstar adidas stan smith adidas stan smith zwart adidas superstar dames adidas yeezy adidas yeezy boost 350 adidas superstar canada adidas nmd adidas superstar adidas nmd canada adidas stan smith adidas superstar adidas stan smith dam adidas superstar dam